Arritmias no atleta devem ou não preocupar

Preocupação recente da mídia esportiva, mais um problema cardiológico em

ex-atletas de futebol e por coincidência são ou foram técnicos de futebol, o Cuca (ex

Santos) com problemas de obstruções nas coronárias e 03 outros com um mesmo tipo

de arritmia cardíaca, a fibrilação atrial diagnosticada no Guto Ferreira (ex Ponte Preta),

Muricy (ex São Paulo) e agora Renato Gaúcho (atual Grêmio de Porto Alegre).

Seria o esporte a causa? Pela faixa etária e perfil de hábitos de vida deles e de

outros esportistas, os hábitos de vida podem precipitar as arritmias cardíacas. Mas

vamos a alguns esclarecimentos úteis à todos.

Nos últimos anos pesquisas validadas de alta qualidade nos EUA, na

Escandinávia e no Brasil, demonstraram que exercícios físicos de alta intensidade por

anos, favorecem o surgimento de adaptações erradas do coração, especialmente em

pessoas que não são ainda possíveis de se identificar, mas devem ser geneticamente

mais sensíveis a esses estímulos físicos elevadíssimos. O que ocorre é um

remodelamento cardíaco, ou seja, aumento exagerado, mas com pequenas fibroses

(cicatrizes) no coração, detectadas no exame de ressonância magnética de pesquisas

de rotina do coração de atleta de alto nível de performance.

Essas fibroses podem ser a causa de arritmias cardíacas nesses ex-atletas,

porém o problema pode ser mais frequente e séria quando existe consumo elevado de

bebidas alcoólicas de todos os tipos e alta ingestão de energéticos misturados às

bebidas alcoólicas destiladas, ingestão dos terríveis termogênicos (proibidos pela

ANVISA no Brasil), ser portador de diabete, doença da tireoide ( hipertireoidismo),

miocardiopatias graves como doença de Chagas, Miocardiopatia hipertrófica e outras.

Devemos sempre lembrar que o estresse pode desencadear acelerações ou falhas

dos batimentos cardíacos e isto em qualquer ser humano, mesmo os que não são

esportistas. Imaginem as emoções de uma prova esportiva ou campeonato mesmo

escolar ou interno de um clube.

Os casos dos ex futebolistas foram tratados curiosamente cada um de forma

diferente, tratamento clinico medicamentoso, tratamento por cardioversão elétrica que

é o choque elétrico no peito, geralmente num pronto socorro, e por fim usando não

cirurgia mas um procedimento invasivo, com anestesia geral chamado Ablação por

radiofrequência seguida de medicação por semanas evitando atividades físicas

intensas.

Nenhuma ação ou demora no tratamento pode ser um desastre clínico e de

qualidade de vida, por isso cada caso deve ser avaliado pelo cardiologista em acordo

com o paciente, onde o principal risco é a de que a fibrilação atrial provoque um

derrame cerebral com alto risco de sequelas motoras e cognitivas definitivas.

Para concluir, os idosos ativos ou sedentários tem no envelhecimento natural

(chamado de presbiocardia) maior chance de desenvolver a fibrilação atrial, mesmo

sem ter doença crônica, mas só pelo fato de envelhecer! Não caiam nas FAKES dos

tratamentos especiais e milagrosos da turma anti aging ou do antienvelhecimento, não

reconhecidos como tratamentos éticos pelo Conselho Federal de Medicina.


Nabil Ghorayeb

3 visualizações

Consultório Privado Ipiranga

R. Bom Pastor, n° 1163 - Ipiranga - SP

Horário de Atendimento: Segunda a Sexta das 14h às 18:30h

 Tel: (11) 2273-7311

Consultório HCOR

R. Abílio Soares, n°250, 3º andar -  Paraíso - SP

Horário de Atendimento: Terças e Quintas das 12h às 13h30

 Tel: (11) 3053-6611

  • linkedin cardiologista Nabil Ghoraye
  • facebook cardiologista Nabil Ghoraye
  • instagram Nabil Ghorayeb

© 2019 por Nabil Ghorayeb, Criado orgulhosamente por CDC Marketing

WhatsApp_Logo-Transparente.png