Afinal, Esporte é ou não é Saúde!

Atualizado: 1 de Dez de 2020

Já se vão muitos anos, algo como 30 a 35 anos, que dissemos uma então

chamada heresia para a época, ou seja, “Esporte Não É Saúde”. Percebemos que, já

na época, esportes de alto nível profissional e mesmo amador competitivo, as lesões

ortopédicas de toda ordem era fato corriqueiro e praticamente comum de todos os

atletas que examinávamos e outros, nem tantos, apresentavam arritmias cardíacas

inexplicáveis.

Essa afirmação muito forte foi baseada nos achados das nossas avaliações de

dezenas de profissionais, de futebol (dos principais times de SP até Seleção

Brasileira), seleções masculina e feminina de basquete, de vôlei, atletismo (cito a

Wanda dos Santos, João do Pulo e outros). Na ocasião o fisiologista do SPFC, o

colunista do euatleta Turíbio Barros, numa reunião soltou uma frase que resumia o

que estávamos observando, “o problema ortopédico que impede a continuação do

treinamento, acaba indiretamente protegendo o coração dos excessos físicos”.

O que temos de realidade hoje em dia é que mesmo com o enorme avanço da

Medicina esportiva e da fisiologia, as lesões ortopédicas com eficientes tratamentos e

rápida reabilitação foram resolvidas, enquanto os problemas cardíacos de esporádicos

aumentaram a sua incidência, devido a uma clara causa, o aumento da intensidade

dos treinamentos e o uso, por muitos atletas amadores, de substâncias proibidas:

termogênicas, estimulantes, hormônios anabolizantes e anti-inflamatórios para as

pretensões de superar limites a qualquer preço, mesmo sem acompanhamento

médico especializado, banalizando sintomas de alertas do corpo, desvalorizando

doenças e até evitando as avaliações médicas pré-participação.

Para obter os benefícios do exercício físico basta praticar as atividades físicas

na intensidade recomendada moderada e regular, porém deixando o esporte de alto

rendimento e modalidades de treinamentos intensos e arriscados:

1-para quem fizer avaliação médica e ser considerado sem nenhuma deficiência física

ou médica.

2-para quem seguir as orientações de um profissional de educação física ou

fisioterapeuta.

3-para quem estiver preparado para parar parcial ou definitivamente por razões

médicas, o fazendo conscientemente.

As noticias da mídia mostram que existem muitos traumas emocionais e

desentendimentos nas decisões de afastamento do esporte, que para muitos é o único

meio de subsistência, e isto preocupa os médicos responsáveis por essa

recomendação, porém devemos deixar claro que o primeiro ponto é a vida, em

segundo lugar a profissão esportiva e o terceiro é ajudar o atleta encontrar o que

fazer...

Dr. Nabil Ghorayeb - Cardiologista e Especialista em Medicina do Esporte

#nabilghorayeb #drnabil #Ipirangasp #cardiologia #prevencao #medicodoesporte #corrida #corridaderua #triatlon #medicodocoracao

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
WhatsApp_Logo-Transparente.png