A morte de causa cardíaca tem acontecido no Triatlo

Em abril deste ano morreu um triatleta na prova no Rio de Janeiro, dias atrás

desapareceu no mar um atleta na prova em Fortaleza, os dois eram experientes e na

faixa dos 40 anos. Seria o TRIATLO um esporte onde o risco de vida está

subnotificado?

Por coincidência nos EUA foi divulgado uma grande pesquisa científica sobre

mortes no Triatlo no dia 19 setembro na revista conceituada “Annals of Internal

Medicine” causando forte impacto médico: a de que paradas cardíacas recuperadas e

mortes durante as provas de TRIATLO não são raras, e excedem a estatística

conhecida de uma morte para cada 100000 atletas nas corridas de maratona.

De 2006 até 2015 ocorreram 1,74 eventos fatais por 100000 participantes

baseados em dados oficiais de registros de mortes de atletas do governo dos EUA e

contatos com familiares das vítimas atletas. Numa projeção conservadora dos

esportistas que completaram as provas, chegaram ao total de 09 milhões de atletas

que completaram as diversas provas.

Foram encontrados 135 eventos médicos graves dos quais 120 cardíacos e

dentre eles 107 mortes súbitas e 13 paradas cardíacas ressuscitadas, além de 15

mortes por traumas acidentais durante o segmento ciclismo (choque contra carros,

quedas, colisões contra objetos fixos como árvores e trilhos)

Das causas cardíacas descobertas nas necropsias 44% tinham doença

cardiovascular, a maioria com graves obstruções das coronárias e outras doenças do

miocárdio, seguramente fáceis de diagnosticar na avaliação de um especialista em

cardiologia. A maior parte dessas mortes foi de homens (85%) com mais de 40 anos!

Vários médicos que acompanharam esses trabalhos afirmaram que para mudar essas

estatísticas as avaliações não devem ser genéricas e simples.

Noventa das 135 mortes e paradas cardíacas (67%) ocorreram no segmento

natação da prova de TRIATLO que é a primeira modalidade e causou muitas

perguntas do tipo por ser a primeira a adrenalina está no mais alto nível? Ou seria um

problema de logística que tem que ser revista para detectar algo errado com o atleta.

Enfim mortes no esporte são raras mas não deveriam existir, pelo que pode

concluir é que muitos atletas afirmam que não sentem nada e por issnem o não

precisam de avaliações ou então meu parceiro de provas disse que pelo fato de

praticar esportes a muito tempo não devo ter nada.

Nada acontece por acaso, as mortes ou eventos médicos acontecem por uso

de drogas ou por doenças não diagnosticadas ou por doenças não valorizadas ou por

excessos físicos não esperados.


Nabil Ghorayeb

2 visualizações

Consultório Privado Ipiranga

R. Bom Pastor, n° 1163 - Ipiranga - SP

Horário de Atendimento: Segunda a Sexta das 14h às 18:30h

 Tel: (11) 2273-7311

Consultório HCOR

R. Abílio Soares, n°250, 3º andar -  Paraíso - SP

Horário de Atendimento: Terças e Quintas das 12h às 13h30

 Tel: (11) 3053-6611

  • linkedin cardiologista Nabil Ghoraye
  • facebook cardiologista Nabil Ghoraye
  • instagram Nabil Ghorayeb

© 2019 por Nabil Ghorayeb, Criado orgulhosamente por CDC Marketing

WhatsApp_Logo-Transparente.png